A nova geração de RPGs centrados em sexo, estimulam sexo com o demônio

GIACO FURINO

Nos anos 70, quando jogos de tabuleiros como "Dungeons & Dragons" começavam a ganhar os corações e as mentes dos nerds do mundo, sexo geralmente era apenas um parágrafo do livro de regras da maioria dos RPGs ou nem sequer era mencionado. Os personagens dos jogadores podiam matar dragões, explorar cavernas e salvar aldeias de todo tipo de vilão, mas os mundos dos jogos não eram realmente pensados para acomodar o amor e a ação física derivada dele.
Isso não impediu os mestres de criarem cenários relacionados a sexo para os jogadores - às vezes, até contra a vontade deles. Jogos de RPG, como boa parte da cultura nerd, surgiram como um espaço dominado pelos homens e assim permaneceram por décadas. Desde a concepção dos RPGs, as personagens mulheres sempre tiveram menos força ou velocidade que os personagens homens. Alguns jogos até implementavam uma "pontuação por beleza", que avaliava quanto uma personagem era atraente e quanto ela conseguia influenciar o sexo oposto. De acordo com uma pesquisa com 105 jogadoras conduzida em 2006 pelos estudantes de filosofia da Universidade de Miami para uma dissertação gênero nos RPGs, mais de 55% responderam que já tinham "se sentido desconfortável, julgada ou assediada por causa de seu gênero" ao jogar ou interagir com a comunidade do RPG.
Foi só no final dos anos 80 e começo dos 90 que empresas como a White Wolfcomeçaram a lançar títulos com certa conotação sexual, como "Vampiro: A Máscara", de 1991, que aborda os amores de vampiros góticos punks. Apesar de ter feito do romance e do erotismo partes importantes do jogo, "A Máscara", hoje, parece datado quando visto através das lentes de valores sexualmente positivos e inclusivos da comunidade LGBT e de feministas - como a maioria dos RPGs dos primórdios. Afinal de contas, esses games refletiam as fantasias de seus desenvolvedores e jogadores, e fantasias podem ser tingidas por preconceitos e ideias equivocadas.
Vice - 'Transe por Satã': A Nova Geração de RPGs Centrados em Sexo - Imagem de Numenera: Love and Sex in the Ninth World. Imagem cortesia de Shanna Germain.Mas representações mais abertas e igualitárias de sexo e gênero estão finalmente se infiltrando nos RPGs. Na última edição de "D&D", por exemplo, uma nova opção "andrógena ou hermafrodita" acrescentada ao clássico personagem elfo Corellon Larethian. De acordo com as novas regras, é possível jogar com seu escolhido como "uma personagem feminina que se apresenta como homem, um homem que se sente preso num corpo de mulher ou como uma anã barbada que odeia ser confundida com um homem".





Shanna Germain
Vice - 'Transe por Satã': A Nova Geração de RPGs Centrados em Sexo - Imagem de Numenera: Love and Sex in the Ninth World. Imagem cortesia de Shanna Germain.
Outro jogo fazendo progresso é Numenera, um dos RPGs mais vendidos no Natal de 2014. Os desenvolvedores do jogo acabaram de lançar um suplemento oficial chamado "Amor e Sexo no Nono Mundo", criado pela escritora erótica Shanna Germain. "Queríamos criar um guia para o amor e o sexo, assim como criaríamos um guia para qualquer outro aspecto do jogo", ela me disse.
O suplemento inclui origens dos papéis de gênero e orientação sexual em "Numenera", modos de se incorporar o sexo no jogo e até itens especiais com que os personagens podem cruzar, como "ferve sangue", uma pílula que "causa um aumento de fluxo sanguíneo em qualquer parte do corpo estimulada".
Abordando o sexo e dando um corpo a regras e modos como os jogadores podem incorporar essa atividade no jogo, o suplemento de Numenera ajuda a estabelecer relações mais igualitárias entre os jogadores em geral. Isso inclui uma seção de como o consenso deve ser abordado, apontando que "esses tópicos devem ser tratados com cuidado e com um entendimento sólido do que seu grupo quer abordar na mesa".
Sexo e fronteiras de gênero estão avançando no mundo dos RPGs indies experimentais. A cena pequena de onde esses jogos emergiram permite que seus criadores e jogadores tenham a oportunidade de explorar o sexo de maneiras novas e emocionantes.
Avery Mcdaldno é parte da nova geração de desenvolvedores que estão mudando a paisagem do RPG. Ela está criando títulos centrados em sexo e romance que, segundo ela, tratam de "queers, comunidade e desilusão". Seu jogo "Monsterhearts" baseia suas regras em outro RPG indie,Apocalypse World, mas coloca a ação numa escola de ensino médio cheia de monstros.
"Eu queria um jogo que pegasse emprestada a estrutura de 'Apocalypse World' (triângulos amorosos complicados, sucessos parciais, princípios de liderança, mudanças abruptas de poder) para contar a história desses monstros adolescentes", ela contou. Ela acrescentou que "Monsterhearts" e seus personagens são influenciados por "Buffy, a Caça-Vampiros", "Crepúsculo" e "Jovens Bruxas", mas que seu jogo não é tão "dolorosamente heterossexual" como a maioria dos romances sobrenaturais adolescentes.
"Esses jogos abordam uma agenda queer", afirmou Avery. "Há uma sequência de duas páginas sobre a importância de fazer seu monstro ter experiências queer; além disso, os temas queer permeiam os mecanismos do jogo. "Monsterhearts" é sobre ambiguidade, incerteza, vergonha do seu corpo, vergonha sobre o que você quer, sentir que você tem algo a esconder, ter tesão... mas especialmente ter tesão de maneiras que te surpreendem. É sobre lidar com [a forma] como o sexo cruza com o poder."
Isso, como você pode imaginar, é uma evolução extremamente dramática da idade das trevas da "tabela de meretrizes" da primeira edição do Guia do Mestre para "Dungeons & Dragons Avançado", que descrevia as personagens femininas com pérolas desde "moças devassas" até "trolls desleixadas".
Reprodução
Enquanto "Numenera" e "Monsterhearts" oferecem oportunidades de romance, outros RPGs retratam o sexo da maneira mais chocante e grotesca possível. Um dos primeiros títulos a fazer isso foi "F.A.T.A.L", de 2002, que já foi chamado. de "RPG do estupro" e um dos piores da categoria de todos os tempos; entre todos os tipos de problemas, as regras tinham diretrizes e mecanismos extensos sobre estupro, mas nunca mencionavam sexo consensual.
Divulgação
Capa de F.A.T.A.L.
Capa de F.A.T.A.L.
Apesar de "F.A.T.A.L" ter sido universalmente criticado, ainda há jogos que oferecem uma mistura polêmica de sexo, choque e humor. "Lamentations of the Flame Princess", criado por James Edward Raggi 2º, foi lançado em 2011 e envolve sacrifício, cultos sexuais, um monstro chamado Penis Walker e aventuras com títulos como "Transe por Satã".
"Estou intencionalmente tentando arranjar confusão", me contou Raggi. "Uma das coisas que estou tentando fazer é desenterrar a ideia de que ''Dungeons & Dragons' é satânico, que isso faz as pessoas se matarem, que é horrível'. Da minha perspectiva, a TSR [a empresa que era dona do "D&D"] cedeu totalmente nisso. Se eles tivessem dito 'De jeito nenhum, vocês estão loucos', teríamos um hobby muito diferente nas mãos agora."
James Edward Raggi IV
Ataque zumbi de uma das páginas de Lamentations of the Flame Princess. Imagem cortesia de James Edward Raggi IV.
Ataque zumbi de uma das páginas de Lamentations of the Flame Princess. Imagem cortesia de James Edward Raggi IV.
"Lamentations of the Flame Princess" tem sido criticado por alguns jogadorespor seus retratos de violência contra a mulher. Quando pedi a James que comentasse sobre isso, ele disse: "Alguns anos atrás, por causa de acusações como essas, fui até o livro de "Regras & Mágica" e contei certas ocorrências". De acordo com ele, os homens são massacrados numa taxa de 8:1 na arte do livro.
"Há muita merda horrível retratada nos livros "LotFP"; e, às vezes, isso até envolve genitais", explicou James. "Qualquer um pode escolher exemplos e fazer a acusação que quiser, mas ninguém pode pegar a obra inteira e dizer sinceramente que há um excesso de mulheres vitimadas."
Mas quais são os momentos mais polêmicos do jogo dele? "O núcleo do livro de regras tem uma medusa transformando um cara em pedra enquanto eles transam e uma ilustração de Vince Locke de um ataque no qual um zumbi enfia o braço na vagina da mulher. De todas as reclamações, em todos as ilustrações, essa é a preferida. No que me diz respeito: missão cumprida."
James Edward Raggi IV
O monstro Penis Walker das páginas de Lamentations of the Flame Princess. Imagem cortesia de James Edward Raggi IV.
O monstro Penis Walker das páginas de Lamentations of the Flame Princess. Imagem cortesia de James Edward Raggi IV.
No entanto, Kira Magrann, jogadora ávida e blogueira doGamingAsWomen.com, não se impressionou com o RPG de Raggi.
"Acho que jogos que usam sexo para provocar e chocar são como a maioria das mídias que fazem o mesmo... meio chatos?", ela frisou. "O que é considerado chocante e provocador varia muito, mas, quando ouço esses termos, penso em 'estupro e violência' como o contrário de 'sombrio e pervertido'. Há muitos jeitos de se mostrar todo tipo de coisa ainda perversa retratando consentimento, igualdade de gênero e sexo seguro."
E é por isso que ela deu boas-vindas aos desenvolvimentos recentes: positivos nesse sentido, eles estão ganhando espaço nos RPGs. E ela acredita que ainda há muito espaço para isso crescer. "Acho que, se você quer personagens bem desenvolvidos em qualquer jogo, independentemente das regras, você precisa tocar em questões como relacionamento e sexo muito mais do que a maioria dos jogos fazem hoje."
Jogadores e criadores estão prontos para abraçar e experimentar sexo e sexualidade de maneira madura e equilibrada? Provavelmente, não. E a maioria das editoras ainda está começando a aceitar tais temas de uma maneira que não seja infantil ou insensível. No entanto, para os fãs corajosos e aventureiros de RPG, nunca houve um momento melhor para ser um elfo cheio de tesão.
Tradução de MARINA SCHNOOR 
Postar um comentário
"Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé." (II Timóteo 4 : 7)

Converta arquivos PDF para WORD